Empilhador automatizado da Linde a efetuar carregamento
A coisa mais natural do mundo

Automação em Massilly

A fábrica-mãe do fabricante francês de embalagens de metal, Massilly, em Cluny depende de uma automação tão extensa quanto possível na produção. A última etapa do processo, o transporte das paletes para o armazém, costumava ser feita manualmente. Esta tarefa agora também é assumida por equipamentos de movimentação de cargas automatizados, e com sucesso: Entretanto, os representantes da empresa estão a chegar para se convencerem dos benefícios dos equipamentos de robótica da Linde.

Latas de conserva vazias andam numa “montanha-russa”. Peças de chapa prateadas brilhantes são transportadas por correias transportadoras aparentemente intermináveis através do espaçoso pavilhão da fábrica. No meio, máquinas totalmente automatizadas trabalham nos detalhes: imprimir, estampar a tampa, moldar placas de chapa finas, soldar. Ouve-se um bater, sibilar, martelar e trepidar constantemente, até que os produtos acabados são colocados em paletes.

Christophe Marteau, Massily, Linde Material Handling

Christophe Marteau, CTO de Tecnologia e Desenvolvimento na Massilly

Uma lata parece algo muito simples, mas é um objeto quotidiano de grande complexidade técnica

Christophe Marteau domina o seu ofício: Uma lata deve ter dimensões exatas, suportar a esterilização e cumprir requisitos importantes na área da resistência mecânica. Para o produto perfeito, Massilly emprega especialistas em várias disciplinas tecnológicas, desde engenheiros a químicos.

A empresa depende deliberadamente da automação há anos. “Para nos afastarmos da concorrência dos países de economia emergente, não temos possibilidades ilimitadas à nossa disposição.” A qualidade é uma opção. Outra é uma produção o mais ágil e interligada possível. “A automação pode não criar novos postos de trabalho”, admite Marteau, “mas assegura os que já existem.” Uma fábrica que não investe na inovação desaparecerá mais cedo ou mais tarde, diz Marteau, parando à distância de alguns passos de uma estação de embalagem.

Uma máquina de paletização agarra caixas de produtos acabados e monta as paletes. Ao lado, um stacker automatizado aguarda ser utilizado. Além do equipamento de série, este equipamento possui um laser de navegação, sensores de segurança, uma unidade de computação, um ecrã tátil e Blue Spot. Logo que o braço robotizado tenha completado uma palete, a Linde L-MATIC desobstrui automaticamente a saída da máquina de paletização, agarra as paletes e coloca-as, a poucos metros de distância, sobre a máquina de envolvimento automático com película. Aqui, segue-se um processo semelhante: a L-MATIC recebe novamente as paletes da máquina de envolvimento com película e leva-as para a entrada do depósito de prateleiras altas. Só então é que o homem intervém novamente. Os operadores de empilhadores recebem as paletes e armazenam-nas.

“Os equipamentos proporcionam-nos total flexibilidade”

A fábrica mãe da Massilly está localizada no coração de Mâconnais, uma paisagem fértil e montanhosa por entre florestas e vinhedos. Na década de 1950, surgiu o modelo comercial para produzir latas e tampas a partir de folha de flandres reciclada. Hoje, a Massilly opera 20 fábricas em 18 países e emprega cerca de 1300 pessoas em todo o mundo. Na França, a empresa é líder de mercado no setor de produção de tampas de chapa metálica, ocupando o terceiro lugar no mercado internacional. Thomas Bindschedler lidera o negócio familiar que, entretanto, já se encontra na sua quarta geração. Massilly é um “campeão oculto” no mais verdadeiro sentido da palavra. Desde o líder do mercado de massas italianas até ao especialista em revestimentos industriais, inúmeros fabricantes de produtos de marca dependem da empresa francesa para a produção das suas embalagens.

“O caminho entre a estação de embalagem e o armazém de mercadorias também não poderia ser facilmente superado com uma correia transportadora?” Marteau abana a cabeça: “Poderia – mas depois teriam sido bloqueados caminhos importantes! Os equipamentos de robótica da Linde proporcionam-nos total flexibilidade. As vias podem ser sempre adaptadas.” Graças à geonavegação, os stackers autónomos conseguem orientar-se automaticamente no espaço. Não precisam de refletores de laser nem de carris, ímanes ou outros meios auxiliares.

Em vez disso, usam as condições locais, tais como paredes, estanterias ou pilares, como pontos de referência para se orientarem.

O equipamento conhece a estrutura da fábrica e reage em tempo real, por exemplo, se um colaborador atravessa a faixa de rodagem

Além disso, os funcionários do armazém recebem regularmente formação quanto ao manuseamento correto dos equipamentos robotizados e foram antecipadamente informados sobre a introdução dos equipamentos e “trazidos a bordo”, explica Marteau. Entretanto, há muito tempo que os processos automatizados fazem parte do quotidiano da Massilly.

O mesmo acontece com os dois trabalhadores que estão na outra extremidade do pavilhão da fábrica numa segunda estação de carregamento, uma secção que faz lembrar um corredor de boxes com compartimentos de estacionamento. Um stacker Linde L-MATIC da última geração põe-se em movimento, a piscar, faz uma curva, vira em torno do seu próprio eixo e carrega uma palete com latas de biscoito coloridas nos garfos. Os dois funcionários do armazém observam atentamente o processo. “Acabamos de fazer uma correção na máquina de envolvimento com película. As operadoras estão agora a verificar se tudo corre bem”, explica Marteau. Os dois primeiros stackers automatizados foram colocados em operação em 2012. Na primavera de 2016, a frota foi complementada com dois novos equipamentos L-MATIC.

O primeiro passo foi aumentar a produtividade face aos números de pedidos em rápido crescimento. Em 2011, a Massilly produziu mil milhões e meio de tampas de chapa metálica, três anos depois, o número já se aproximava da marca dos dois mil milhões. Marteau reconheceu o potencial inovador dos equipamentos automatizados e estava determinado a aproveitá-lo:

Era um investimento futuro

“No que diz respeito à nossa atitude, o facto de hoje usarmos o dobro do número de equipamentos autónomos confirma a nossa convicção de que tomámos a decisão certa”, diz Marteau.

Massily, armazenamento, Linde Material Handling

Empilhador automatizado da Linde em utilização na Massilly

Um empilhador robotizado não se engana

A partir da perspetiva atual, a operação é mais suave e o número de acidentes diminuiu significativamente. “Pois os equipamentos de robótica da Linde deslocam-se sempre de forma igual e verdadeiramente fiável”, sublinha Marteau. “O equipamento operado pelo homem requer concentração total constante no arranque, ao manobrar ou estimar a velocidade – e quando uma palete cai, todas as caixas têm de ser desembaladas e todas as tampas novamente verificadas individualmente. E isso custa tempo valioso. O robô, pelo contrário, nunca se engana!” Partes interessadas de todo o mundo vêm a Massilly em Cluny para ver a solução e perguntar a Marteau quais são as suas experiências. Pois os equipamentos robotizados assumem muitas tarefas padrão que podem ser transferidas para outras áreas.

“O nosso armazém também é propício para equipamentos de movimentação de cargas automatizados”, comenta Marteau. Uma implementação está atualmente a ser analisada. O equipamento automatizado para estanterias altas, K-MATIC, anunciado pela Linde para o final do ano pode ser a solução ideal aqui.