Dois L-MATIC da Linde Material Handling em operação na especialista de produtos sanitários austríaca HOLTER
Dois geradores de valor em pleno

O L-MATIC em operação na HOLTER

“Fredl” e “Gust” adaptaram-se lindamente à especialista de produtos sanitários austríaca HOLTER. Os dois stackers L-MATIC da Linde fazem as suas rondas com toda a fiabilidade entre o armazém e a expedição na sede em Wels. Enquanto isso, os colegas humanos concentram-se totalmente no seu real trabalho: a preparação de encomendas com valor acrescentado.

Temos de admitir que ainda não conseguem fazer uma coisa na especialista de produtos sanitários austríaca HOLTER: enviar a mercadoria antes de o cliente fazer a encomenda. Mas com o seu conceito logístico extremamente eficiente, a empresa familiar fundada em 1873 está muito próxima disso: “O que os nossos clientes encomendam até às 18:15, nós entregamos no dia seguinte, praticamente em todo o país. Se a encomenda chegar até às 10:30, podemos até entregar no próprio dia se o cliente pedir”, explica Lukas Vormair, responsável pela direção logística na Áustria e Alemanha. Esta promessa de fornecimento ambiciosa é tornada possível por uma estratégia de armazém central sofisticada.

A partir de Wels, onde estão permanentemente armazenados mais de 30 000 artigos, uma frota própria de equipamentos que compreende 155 camiões entrega as encomendas a outros oito pontos de apoio logístico distribuídos por toda a Áustria e Baviera: sejam anéis de vedação, banheiras de hidromassagem, sifões ou elementos de aquecimento. “Desta forma, não somos apenas um dos 3 principais grossistas de produtos sanitários da Áustria, somos ao mesmo tempo uma empresa logística de dimensão considerável”, comenta Vormair com orgulho. Sendo assim, no que toca ao transporte de mercadorias, claro que nunca se consegue ser suficientemente eficiente.

Solução para volumes grandes…

Quando se juntam os termos logística e eficiência numa frase, o tema da automação é praticamente obrigatório no século XXI, e na HOLTER também. “Os processos de fluxo de mercadorias internos da empresa têm de ser alinhados com a promessa de rendimento que damos aos nossos clientes, e este nem sempre foi o caso em todas as áreas”, é assim que Vormair traça o ponto de partida. Enquanto as peças pequenas há já vários anos seguem do armazém para o controlo de saída de mercadorias através de um sistema de transporte automatizado em Wels, os produtos maiores dependiam completamente de processos manuais. Vormair: “Os funcionários tinham de transportar as mercadorias após a preparação da encomenda com os seus equipamentos, por vezes, por longos trajetos até ao departamento de expedição. Isto resultava inevitavelmente em muitas viagens vazias, além de que as idas e vindas roubavam aos colaboradores precioso tempo de preparação de encomendas.”

Um caso evidente para o departamento interno de “Garantia de qualidade logística” que se dedica permanentemente à melhoria dos processos logísticos. “Fomos à LogiMAT em Estugarda e vimos em primeira mão o que o mercado tem para nos oferecer no que toca a automação”, recorda Vormair. Após uma primeira verificação de fornecedores, a direção era clara: “Fiabilidade e capacidade de adaptação tinham para nós a máxima prioridade. Pudemos excluir de antemão soluções que teriam requerido alterações substanciais à nossa infraestrutura de armazém existente. Afinal de contas, não somos uma empresa de produção clássica em que apenas circulam soluções de transporte sem condutor e queríamos, por isso, um conceito de automação que fosse compatível com o restante tráfego no armazém.”

Os stackers L-MATIC da Linde “Fredl” e “Gust” na especialista de produtos sanitários austríaca HOLTER

… com pouco esforço

Tecnologia robusta resistente a avarias, sem a instalação dispendiosa de carris de guiamento ou semelhante, escalabilidade simples – estas exigências rapidamente encaminharam a especialista de produtos sanitários para uma solução de automatização da Linde Material Handling. “Vários fornecedores vieram apresentar no local, mas o conceito da Linde agradou-nos mais”, diz Lukas Vormair. As componentes “humanas” além das técnicas causaram uma impressão especialmente positiva na HOLTER: “Foi tudo de primeira categoria, o aconselhamento prévio, a apresentação, o conhecimento dos processos logísticos e a forma como estes teriam de mudar na sequência da automatização. Resumindo: desde o primeiro dia que tivemos um bom pressentimento com a Linde.”

Antes que os dois stackers autónomos do tipo L-MATIC da Linde pudessem entrar ao serviço na HOLTER, foi necessário fazer alguns preparativos. Em primeiro plano estava a questão do piso. Vormair explica: “Reconhecidamente, o piso dos nossos pavilhões mostrava sinais da idade e estava danificado. Por este motivo, foi feito um restauro nas áreas onde os sistemas de transporte sem condutor da Linde iriam circular”. Outro ponto central no caderno de encargos era a integração dos colaboradores; e neste ponto a HOLTER exigiu a máxima transparência desde o início. “Falámos com os nossos colaboradores e cronometrámos juntos o tempo necessário para eles irem manualmente do armazém até à expedição e voltar com o equipamento vazio. Que isto correspondia a mais de 25% do tempo de trabalho ao final do dia também nos surpreendeu a todos. Isto tornou as coisas claras para o nosso pessoal, especialmente porque a experiência que eles tinham com o sistema de transporte para peças pequenas já tinha evidenciado que a automação não faz concorrência aos seus postos de trabalho na nossa empresa. Bem pelo contrário: damos aos nossos colaboradores a possibilidade de se concentrarem totalmente na sua atividade central: preparar encomendas.”

Drive – a cores

Há algum tempo que “Fredl” e “Gust”, os nomes escolhidos pelos colaboradores para os dois L-MATIC da Linde em Wels, fazem o seu trabalho com fiabilidade. Para tornar isto possível, os profissionais da Linde começaram por criar um mapa virtual do armazém com pontos fixos importantes para orientar os equipamentos no espaço. Em seguida, estabeleceram-se quatro estações tanto no armazém como na zona de expedição com respetivamente quatro cores de marcação. Os colaboradores têm apenas de trazer as paletes preparadas para a estação correspondente e depositá-la de acordo com a instrução na zona azul, laranja, verde ou vermelha. Basta então premir um dos botões coloridos correspondentes para transmitir o pedido de transporte a um dos dois equipamentos L-MATIC.

O resto é literalmente automático: quando o Fredl e o Gust chegam à sua estação de destino e depositam as paletes, um(a) colaborador(a) verifica a mercadoria com um scanner quando à correção e quantidade e transfere-as para o local de expedição. Esta verificação final foi também introduzida pela HOLTER e é um bom exemplo dos efeitos positivos que a automação pode ter em todo o panorama dos processos.

“Através da verificação com scanner da mercadoria e respetivo controlo do local de expedição correto por estado federal, os erros de expedição são praticamente eliminados”, diz animado Lukas Vormair. E, por falar na colocação dos produtos: outro efeito secundário positivo do projeto de automação foi a melhoria notória da arrumação no armazém. “Onde os sistemas de transporte sem condutor circulam, as vias de circulação têm de estar desimpedidas. Deixámos isso bem claro para as nossas equipas desde o início. E apesar de o nosso pessoal estar habituado a deixar as mercadorias temporariamente estacionadas onde dava jeito, as vias de circulação ficaram permanentemente desimpedidas desde o primeiro dia da colocação em funcionamento”, diz impressionado o Diretor de logística da HOLTER. Naturalmente, os equipamentos ainda reconhecem obstáculos a tempo e travam de forma fiável, quando, por exemplo, um peão atravessa a via de circulação, o facilmente reconhecível Linde BlueSpot™ complementa assim a segurança com mais uma vantagem.

Continua

Entretanto, os dois L-MATIC da Linde desempenham funções na HOLTER há quase quatro anos e fazem cerca de 150 viagens por dia. O turno do Fredl e do Gust dura das 6 da manhã até às 8 da noite, durante este tempo, os equipamentos estão quase permanentemente em movimento, pois para cada um dos equipamentos está disponível uma bateria de substituição. Se o nível de carga do acumulador de energia de chumbo-ácido baixar além dos 20%, os stackers dirigem-se autonomamente para o local de substituição da bateria. Aí um(a) colaborador(a) faz a substituição manualmente em poucos minutos. Lukas Vormair faz o balanço:

Ao fim e ao cabo, recebemos exatamente o que nos foi prometido: o nosso pessoal na preparação de encomendas tem mais tempo para o seu verdadeiro trabalho e o nosso fluxo de mercadorias condiz perfeitamente com a nossa promessa de rendimento.

A solução é complementada pela certeza tranquilizadora de que podemos confiar no acompanhamento constante da Linde MH. O exemplo mais recente é a nova rota planeada, que se tornou necessária devido a modificações no armazém. “Em pouquíssimo tempo, uma equipa da Linde veio ao local e verificou a viabilidade do novo trajeto.” Atualmente já se pondera em Wels alargar a frota de L-MATIC com mais equipamentos que possam assumir trabalhos de transporte num novo pavilhão. Os círculos tendem a completar-se, por vezes, automaticamente…

Dois L-MATIC da Linde Material Handling em operação na especialista de produtos sanitários austríaca HOLTER

Fritz HOLTER GmbH

A empresa Fritz HOLTER GmbH com sede em Wels é um dos 3 principais grossistas de produtos sanitários da Áustria. Fundada em 1873 e em mãos familiares até hoje, a HOLTER emprega cerca de 850 colaboradores em 20 filiais, 330 deles na logística. Os cerca de 30 000 produtos diferentes são entregues por uma frota própria de equipamentos que compreende 155 camiões a partir de um armazém central e oito pontos de apoio logístico na Áustria e na Alemanha, bem como dois centros de distribuição.